Você é o visitante...

domingo, 28 de agosto de 2011

Engraçada, a minha vida...

Hoje, depois de tantos meses, vim pra falar de uns pedaços só meus que ninguém compreenderia sem minha ajuda.
Quase cinco meses após o último post, me sinto alguém extremamente diferente, me sinto alguém! Conquistei um lugar no mundo, sou importante pra várias pessoas, tenho um trabalho e descobri que toda essa coisa de "dignifica o homem" é pura ilusão.
Pelo menos na minha profissão, na imensa maioria das vezes, o trabalho leva à exaustão e arranca as roupas de qualquer verdade bem coberta.
E apesar do stress que eu trago pra casa na mochila, sempre pesadíssima, recebo recompensas muito maiores que o dinheirinho no dia certo: CARINHO!
Meus alunos são muito carinhosos: Já ganhei desenho com coração, livrinho infantil, florzinha de papel, elogios e muitos beijinhos.
Sempre tem um ou outro pestinha, mas me enxergo um tanto mãe de cada um, embora em algumas turmas tenha gente até mais velha que eu.
Na semana passada, um dos meus pequenos apareceu com febre... Eu juro que fiquei apavorada igualzinho a mãe de primeira viagem! E me senti quase uma "Mulher-Maravilha às avessas" - e isto nada tem a ver com aquela swingueira pobre, viu? - levando o meu pequenino pela mão para sentar mais pertinho de mim na sala de aula, conforme as ordens que me foram dadas.
Tem coisas na escola que eu detesto tanto quanto os meus alunos, mas tenho mesmo é que ser boa atriz e repreendê-los quando se faz "necessário".
O mal de todas as famílias é imaginar que o professor pode suprir, em quatro horas de trabalho, as necessidades da educação que o aluno não recebe nas vinte horas restantes do dia. Sabemos que dezenas dos nossos alunos - assim como minha irmã - carecem da presença mais efetiva de seus pais. Mas o que fazer se estes - assim como minha mãe - em muitos casos não são irresponsáveis, apenas trabalhando por aí para bancar o "colégio pago" das crianças?
Apesar do esforço grande, dos passos maiores que minhas pernas e da tristeza por não poder melhorar a vida de muitos pequenos merecedores - porque mal posso melhorar a minha -, sou muito feliz por alunos como João, Dayanara, Vitória, Luana, Ramon, Juliana, Marlon, Luana, Karen, Douglas, Gabriel Julio e um de nome difícil que eu não sei como escreve, mas que trabalha e estuda (é tão guerreiro quanto eu).
Eu sou feliz porque hoje conheço uma face nova da vida, recebi um par de olhos que me permite ver a vida como realmente é sem sofrer por isso.
Minha carência, minha doçura e a solidão particular continuam comigo. Minhas histórias inacabadas esperando um final feliz, nesta ou na próxima vida, permanecem dentro de mim. Meus anjos gordos continuam sobrevoando meu teto... E as crenças mescladas fazem de meu culto um prazer peculiar e egoísta.
O amanhã, antes um objeto de temor, agora tem um sabor cada vez maior...
Porque amanhã estarei mais perto das coisas que ainda virão. As boas, as ruins, as neutras e todo o resto me serão um estímulo para envelhecer crescendo, dando a mão a quem precisar, dando pisão a quem quiser e recebendo tudo, separando o que presta pra guardar e jogando fora as verdades que não combinam comigo.

"Se é pra sofrer, prefiro não saber..."

Luciene Amaral - 11h13min -28/Ago/2011

5 comentários:

  1. Luh pq vc excluiu seu orkut?
    Um bj amiga.Saudades.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu texto...

    ResponderExcluir
  3. Amiga, tava me trazendo uns problemas chatos, o orkut... Preferi deixar pra lá.
    Obrigada, beijo e saudade.

    ResponderExcluir
  4. e sentir tanta saudades faz lembra do enorme carinho q sinto por ti.. e nutro vivo em meu coração. sempre... sempre!

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga e irmã... Os melhores sentimentos a nutrir por alguém são os que ultrapassam as barreiras do tempo e da distância.
    Eu te amo muito e vou amar sempre, SEMPRE!

    ResponderExcluir